Política

Emanuel 'intima' Mauro a uma conversa sobre saúde de Cuiabá

Em vídeo publicado nas redes sociais, o prefeito de Cuiabá, Emanuel Pinheiro (MDB), cobrou espaço na agenda do governador, Mauro Mendes (União), para que cara a cara os dois discutam soluções para a saúde da capital, que segundo o prefeito absorve demandas vindas de todo o estado e encontra-se abarrotada.

Embora os dois tenham vivido um embate político intenso nos últimos anos, intensificado após o período de Intervenção Estadual na saúde da capital (março a dezembro de 2023), no qual o governador aponta diversas melhores para o setor, mas Emanuel e os números oficiais apontam o contrário, o gestor reforçou que desta vez nao quer polêmica.

O emedebista reafirmou que não participará do processo eleitoral deste ano e que esta audiência que propõe agora não carrega qualquer tipo de conotação política. “Muita gente falando, olha o governador falou isso, o presidente da Assembleia falou aquilo. Para gente, isso é política, eu já falei que estou fora do processo eleitoral deste ano e quero discutir a solução para a saúde de Cuiabá e de Mato Grosso”, disse Emanuel.

No vídeo, gravado em frente ao Hospital Municipal de Cuiabá (HMC), estruturado já dentro de sua gestão, o prefeito destacou que a capital “carrega a Saúde de todo estado nas costas” e que o HMC virou um ‘hospital regional’. Isso porque, segundo ele, só nesta sexta-feira (26) estão internados 298 pacientes na unidade de saúde municipal, sendo que 78 são da capital e 220 do interior.

“Cuiabá carrega há muito tempo a Saúde do Estado nas costas. Mas agora está mais sobrecarregada ainda porque nós ampliamos os serviços para a população, com HMC, duas UPAs e tantas outras coisas (…) Eu só vejo uma solução para isso: sentar à mesa, honrando os cargos que ocupam o prefeito e o governador do Estado. E aí Mauro? Vamos nessa? Que dia você pode me receber em audiência para tratar da saúde pública de Cuiabá e de todo Mato Grosso”, desafiou o prefeito.

A declaração é uma resposta ao governador Mauro Mendes (União) e ao pré-candidato a prefeito, deputado Eduardo Botelho, que em declarações recentes, destacaram que a saúde municipal piorou após o fim da Intervenção. Pinheiro rebate que não existe a contrapartida necessária por parte do Governo do Estado à cidade, fazendo com que o orçamento local ‘banque’ atendimento médico dos pacientes do interior.

“O Estado desestruturou a saúde no interior, fechou unidades. A população do interior está correndo pra cá (…) A população cuiabana está ficando sem leito, sem espaço e nós estamos tendo que pagar a conta para o interior sozinhos. Isso não é correto”, assinalou.